CASA DOS CICLISTAS

VINTZ SANTA CRUZ/RN

agro

MARMORARIA GRANFORTH

SANTA CRUZ CLÍNICA VETERINARIA

SANTA CRUZ CLÍNICA VETERINARIA

Museu Rural Auta Pinheiro Bezerra

Delícia do Trairi

Delícia do Trairi

CURTA NO FACEBOOK!




domingo, 14 de novembro de 2021

Diabetes cresce na pandemia e mata 6,7 milhões só em 2021




Não é de hoje que a OMS (Organização Mundial de Saúde) chama atenção para o aumento de diabéticos no mundo. Nos últimos 40 anos, a doença quadriplicou e a pandemia do coronavírus deixou os números ainda mais assustadores.

No último dia 5, a IDF (Federação Internacional de Diabetes – sigla em inglês) divulgou o Atlas Diabetes 2021 e só nesse ano, a doença foi responsável por 6,7 milhões de mortes em todo o mundo.

Sem contar as mortes decorrentes de complicações de outras enfermidades que tiveram efeito agravado pelo diabetes, como a própria Covid-19.

Um a cada 10 adultos entre 20 a 79 anos desenvolveram diabetes tipo 2 entre 2019 (data do último relatório) e 2021. Há dois anos, o mundo tinha 463 milhões de diabéticos, agora são 537 milhões.

O mês de novembro é marcado pela prevenção da doença e este domingo (14) é o Dia Mundial do Diabetes.

Condições vividas nos último dois anos, incluindo a pandemia, favoreceram o crescimento

A endocrinologista Denise Reis Franco, especialista nos cuidados com o diabetes, explica que as condições vividas nos último dois anos favoreceram o crescimento. “O diabetes tipo 2 está associado ao ganho de peso e ao sedentarismo. As pessoas foram confinadas em casa e diminuíram as atividades físicas. Perderam o ir e vir ao trabalho, ninguém mais foi à academia, ao parque, praças”, afirma Denise.

E acrescenta: “As crianças também ficaram em casa e o tempo de preparar comidas diminuiu e aumentou o consumo de alimentos processados, com teor maior de gordura, com mais açúcar, carboidratos. Ou seja, teve o aumento do consumo de calorias com um gasto calórico menor.”

Além da diabetes tipo 2, que é marcada pelo aumento do açúcar no sangue, existem outras duas formas entre as mais comuns: a do tipo 1, que é autoimune, não é possível prevenir e a pessoa tem de usar insulina a vida toda; e a gestacional, que acontece quando as mulheres estão grávidas.

Metade das pessoas doentes não sabem que são diabéticas

Mesmo sendo uma enfermidade grave, ela é silenciosa e, de acordo com a OMS, metade dos diabéticos não sabem que estão doentes e descobrem quando as consequências são graves. “O fato da doença ser silenciosa é a maior dificuldade que temos como profissionais de saúde. Os indivíduos procuram ajuda médica apenas quando estão com algum problema como dor ou desconforto, mas o hábito de ir ao médico para prevenção, antes de ter qualquer sintoma, ainda não é um hábito da nossa cultura”, lamenta Augusto Santomauro, endocrinologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Sintomas que merecem atenção

Além de procurar um médico para fazer o acompanhamento de rotina, é importante que sejam observados alguns sintomas mais comuns da enfermidade do tipo 2, como aumento da sede, da vontade de urinar e da fome; sensação de fraqueza; no caso das mulheres, coceira e corrimento vaginal; e perda de peso, mesmo comendo bem.

“Muitas vezes a pessoa doente, mesmo que tenha obesidade, acaba comendo muito e perdendo peso ou não ganha, porque descompensação do diabetes pode levar ao emagrecimento”, diz Denise.

R7






Nenhum comentário: