MARMORARIA GRANFORTH

Vintz

CURTA NO FACEBOOK!




sexta-feira, 30 de março de 2018

ATENÇÃO! Estação espacial chinesa pode cair sobre o Brasil no feriado de Páscoa

Estação espacial chinesa espirala sem rumo em direção à Terra. Lançada em 2011, a Tiangong-1 está desabitada desde 2013 e desgovernada desde 2016. Agências espaciais e órgãos especializados do mundo todo afirmam que o primeiro “palácio celestial” da China vive seus últimos momentos em órbita — e que deve cair de vez nos próximos dias.

De acordo com a Agência Espacial Europeia (ESA), a reentrada na atmosfera deve ocorrer entre os dias 30 de março e 2 de abril. Uma inesperada coincidência com o feriado de Páscoa. Já para a Aeroespace Corporation, organização que fornece análises técnicas à Força Aérea dos EUA, a previsão é 1º de abril, com dois dias para mais ou para menos. E sim, pode ser uma mentira. “A margem de erro ainda é muito grande”, diz o astrônomo amador Marcelo Zurita, diretor técnico da Bramon (Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros). É só de dois a três dias antes do evento que as previsões se tornam mais precisas. Ele tem acompanhado de perto todo o longo processo de reentrada da Tiangong-1.

Zurita está à frente de um grupo criado na Bramon para monitorar reentradas que possam ocorrer nos céus do Brasil. É o caso da estação espacial chinesa, que pode cair em qualquer lugar entre as latitudes 43º Norte e 43º Sul — todo o território brasileiro é contemplado. A possibilidade é baixa, mas não nula. Até o momento, os cálculos da Bramon indicam uma chance de 2,28% de que o objeto se despedace sobre nossas cabeças.

Os amadores conduziram uma série de estimativas extras (veja abaixo), atualizadas a cada dia. Calcularam que a faixa onde a Tiangong-1 pode cair corresponde a 73% da área do planeta. Dentro dela, 68% é oceano e 32% é terra firme. Com isso, descobriram a chance de queda no Brasil e em cada estado. “Pesquisamos as áreas urbanizadas para saber, por exemplo, o risco de cair em uma cidade de São Paulo”, explica Zurita.

Por ter cerca de 10 metros de comprimento, 3 metros de largura e 8,5 toneladas no lançamento (devido ao gasto de combustível, o peso atual é menor), destroços podem chegar intactos à superfície. As chances de acertarem uma pessoa, no entanto, são ínfimas: 0,02%. Mas elas não podem ser desconsideradas.

“Acho que a principal lição é o cuidado que as agências espaciais devem ter com os objetos que colocam em órbita”, afirma o astrônomo amador. “É importante que se discuta o assunto para que, em um futuro não tão distante, essa e outras reentradas possam ser controladas e ocorram sem risco para as pessoas aqui na Terra.” 
Postar um comentário