CASA DOS CICLISTAS

VINTZ SANTA CRUZ/RN

MARMORARIA GRANFORTH

Museu Rural Auta Pinheiro Bezerra

CURTA NO FACEBOOK!




quinta-feira, 5 de maio de 2022

Fiocruz produzirá primeiro antiviral contra Covid-19 no Brasil

Tomana aérea da fachada e terraço do Castelo.


O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) será o laboratório responsável pela produção do molnupiravir, primeiro antiviral oral contra a Covid-19 fabricado no Brasil.

Nesta semana, a organização firmou acordo com a farmacêutica norte-americana Merck Sharp & Dohme (MSD), desenvolvedora do remédio. Na quarta-feira (4), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das pílulas.

O contrato assinado entre as instituições é de cooperação tecnológica, que torna a Fiocruz responsável pela armazenagem, administração, rotulagem, embalagem, testagem, liberação, importação e fornecimento do medicamento ao Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com a Fiocruz, o processo deve ocorrer ao longo dos próximos dois anos, com avaliação de condições técnicas e da demanda do próprio SUS frente aos resultados de estudos a serem realizados.

O acordo também prevê condução de ensaios clínicos para eventual profilaxia da Covid, além de estudos experimentais para análise do uso do remédio em outros vírus, como dengue e chikungunya.

Além do Brasil, o molnupiravir tem autorização temporária no Reino Unido, na União Europeia, nos Estados Unidos e em outros 17 países.

Aprovação na Anvisa

O fármaco é um antiviral de uso oral, indicado para adultos com sintomas leves ou moderados da doença, e será autorizado apenas sob prescrição médica — com contraindicação para gestantes.

De acordo com o laboratório, estudos demonstram que, quando administrado no início da infecção por Covid, o remédio tem capacidade de reduzir os casos de hospitalizações e mortes pela doença.

O diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, ressaltou que o uso da medicação tem suas limitações e não é indicado, por exemplo, às gravidas. O molnupiravir também não deve substituir a vacinação contra Covid.

A pílula deve ser ingerida dentro de cinco dias após os primeiros sintomas da Covid. O fármaco impede que o vírus se replique e, dessa forma, reduz a gravidade da doença.

Metrópoles








Nenhum comentário: