VINTZ SANTA CRUZ/RN

MARMORARIA GRANFORTH

agro

CASA DOS CICLISTAS

CURTA NO FACEBOOK!




SANTA CRUZ CLÍNICA VETERINARIA

SANTA CRUZ CLÍNICA VETERINARIA

sábado, 6 de junho de 2020

Além de testar, Brasil pode ser um dos países a fabricar vacina contra o coronavírus

Foto: AFP

Além de colaborar com 2 mil voluntários em testes para a vacina contra o coronavírus, o Brasil também pode ser um dos países a participar da fabricação e distribuição de doses do imunizante.

A biofarmacêutica britânica AstraZeneca anunciou acordos internacionais no valor de 750 milhões de dólares com a Coalizão de Inovação em Preparação para Epidemias (Cepi, sigla em inglês) e com a Gavi, Aliança Global para Vacinas e Imunização, grupo no qual o Brasil faz parte desde setembro de 2018. A aliança com a Gavi facilita a possibilidade de laboratórios brasileiros, como Fiocruz e Instituto Butantan, fornecerem vacinas para a instituição.

O acordo irá apoiar a fabricação e a distribuição de 300 milhões de doses da vacina até o fim do ano. Há ainda um terceiro acordo, com o Instituto Serum, da Índia, que visa a fornecer 1 bilhão de doses para países de baixa e média renda.

Além da parceria com a Gavi, segundo o presidente da AstraZeneca no Brasil, Fraser Hall, há discussões com governos, inclusive o do Brasil, sobre quantas vacinas contra o coronavírus o Brasil precisaria comprar.

– Estamos trabalhando em três áreas chaves no Brasil. A primeira é sobre o ensaio clínico da vacina, a segunda sobre quantas vacinas o Brasil gostaria de obter e, na terceira, discute-se quais seriam os métodos de fornecimento da vacina que a empresa usaria para atender aos requisitos do governo brasileiro.

Ao fazer parte da Gavi, o Brasil doa anualmente para a entidade internacional 1 milhão de dólares para apoiar o acesso a vacinas em países mais pobres. Segundo o Ministério da Saúde, o apoio à Gavi também é importante para garantir estoques emergenciais de vacinas para doenças estratégicas.

De acordo com Sue Ann Clemens, diretora da Iniciativa Global de Saúde da Universidade de Siena e coordenadora dos centros de testagem da vacina no Brasil, já houve uma reunião, na qual ela estava presente, entre Ministério da Saúde, AstraZeneca e a Fiocruz no sentido de ampliar a produção da vacina.


– Tem essa conversa, não só com o nosso país, mas com vários outros. Isso é normal. Estão procurando países que tenham produção própria, como o Brasil. Eles (a AstraZeneca) devem investir em algum lugar, mas onde ainda não sabemos.

Na prática, explica a especialista, a produção própria da vacina diminui principalmente os custos.

– O que muda é o preço final, porque compra-se a vacina pronta a um certo preço. Se você transfere a matéria prima e a tecnologia para o Brasil, o custo cai bastante. – Com certeza deve ter uma fila de países que já pagaram pela vacina. Se o país paga, ele entra na fila de quem recebe primeiro. O Brasil já foi abordado, questionado sobre o número de doses – completa.

Os resultados sobre a eficácia da vacina contra o coronavírus devem sair em setembro, segundo a AstraZeneca. A Universidade de Oxford, cujo projeto é financiado pelo governo britânico, se associou ao grupo farmacêutico para fabricar e distribuir em todo o mundo a vacina que está desenvolvendo.

O Globo



Nenhum comentário: